Para que serve a Vitamina E?

A vitamina E é um poderoso antioxidante natural, que ajuda a fortalecer o sistema imunológico e prevenir inúmeras doenças.

Esta vitamina pode ser obtida através de verduras escuras, óleos vegetais e castanhas. Também pode suplementar a vitamina E, desde que seja sob orientação médica. Continue a leitura para saber mais sobre o assunto.

Pontos-chave

  • A vitamina E não é produzida pelo organismo, mas é armazenada e utilizada sempre que o corpo necessita. Presente em frutas, verduras, óleos vegetais e castanhas, esta vitamina raramente está em falta no organismo.
  • Pode apresentar deficiência de vitamina E quem possui problemas hereditários que prejudiquem a absorção desta vitamina, distúrbios no fígado, fibrose cística ou quem sofra de doenças relacionadas ao metabolismo de gordura.
  • A vitamina E proporciona diversos benefícios para o organismo: fortalece o sistema imunológico, protege contra doenças cardiovasculares, previne doenças neurológicas, combate a infertilidade, entre outros.

Para que serve a vitamina E: tudo o que precisa de saber

A vitamina E proporciona diversos benefícios para a saúde como fortalecimento do sistema imunológico, prevenção de doenças neurológicas e cardiovasculares, combate à infertilidade e benefícios estéticos.

Para aumentar o aporte dessa vitamina no organismo é preciso manter uma dieta rica em gorduras boas e suplementar a vitamina E, quando necessário. Continue a leitura para saber mais sobre este excelente antioxidante natural.

Imagem de uma mulher tomando uma cápsula de vitamina E.
A vitamina E proporciona diversos benefícios para a saúde. (Fonte: Puhha/ 123RF.com)

O que é a vitamina E?

Considerada um excelente antioxidante natural, a vitamina E está disponível em cinco formas químicas. Dessas apresentações, a alfatocoferol é a que proporciona mais benefícios para o organismo.

A vitamina E não é produzida naturalmente, portanto, deve ser consumida através de alimentos e suplementação, indispensável para quem faz uma dieta restritiva ou pobre em nutrientes (1).

Para que serve a vitamina E?

A vitamina E ajuda a fortalecer a saúde e prevenir inúmeras doenças, pois possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias.

Esta vitamina também impede a formação dos radicais livres e elimina-os, inibindo os efeitos nocivos que essas substâncias causam nas células. Conheça todos os benefícios da vitamina E abaixo:

Fortalece o sistema imunológico

A vitamina E fortalece o sistema imunológico, pois inibe a produção dos radicais livres e elimina essas substâncias. A vitamina E também aumenta a resistência a infeções causadas por vírus, como o vírus da Influenza.

Prevenção de doenças neurológicas

A deficiência de vitamina E está relacionada com alterações no sistema nervoso, o que leva os estudiosos a acreditarem que a vitamina E pode auxiliar na prevenção e tratamento de doenças neurodegenerativas como Parkinson, Alzheimer e Síndrome de Down.

Prevenção de doenças cardiovasculares

A vitamina E ajuda a reduzir o stress oxidativo e o processo inflamatório do organismo, fatores associados ao surgimento e evolução de doenças cardíacas.

Esta vitamina também ajuda a controlar o nível de colesterol HDL, diminuir a acumulação de gordura e o risco de trombose venosa. Outro benefício é proporcionar o relaxamento dos vasos sanguíneos.

Combate a infertilidade

O consumo de vitamina E aumenta a qualidade e motilidade dos espermatozoides, ou seja, a capacidade de se movimentarem, aumentando a fertilidade masculina.

Aumenta a resistência e força muscular

A vitamina E também ajuda a controlar os danos causados pelo stress oxidativo induzido pela prática de exercício físico. Como consequência, a vitamina E acelera a recuperação pós-treino.

Esta vitamina também está associada ao aumento da resistência nos treinos, ganho de força muscular, aumento de massa muscular e fortalecimento dos ossos.

Benefícios estéticos

A vitamina E ajuda a prevenir o envelhecimento precoce, acelera o processo de cicatrização, atenua manchas, trata algumas doenças de pele como a dermatite, protege contra a ação dos raios solares e hidrata a pele.

Esta vitamina também ajuda a manter a integridade das fibras capilares e aumentar a circulação sanguínea no couro cabeludo, estimulando o crescimento do cabelo, mesmo em casos de doenças sérias como alopecia.

Imagem de uma mulher tomando uma cápsula de vitamina E.
A vitamina E proporciona diversos benefícios para a beleza. (Fonte: Antonio Guillem/ 123RF.com)

Quais benefícios da vitamina E ainda estão a ser estudados?

Alguns benefícios associados ao consumo de vitamina E ainda estão a ser estudados pelos cientistas:

Prevenção do cancro de próstata

Alguns estudos sugerem que a vitamina E pode ajudar a prevenir ou mesmo tratar o crescimento de tumores dependentes da hormona masculina testosterona, como é o caso do cancro da próstata, mas os resultados ainda são controversos.

Prevenção da degeneração da mácula

Os estudos científicos que analisam a relação entre a vitamina E e a degeneração da mácula apresentam resultados conflitantes. Alguns estudos apontam para redução dos riscos de desenvolver problemas na mácula, enquanto outros não indicam qualquer associação.

Prevenção da Esclerose Lateral Amiotrófica

Algumas pesquisas sugerem que a vitamina E pode ajudar a prevenir e retardar a progressão da Esclerose Lateral Amiotrófica. No entanto, mais estudos precisam de ser realizados para confirmar esta teoria.

Benefícios para gestantes

Alguns estudos indicam que a vitamina E pode auxiliar na prevenção de uma doença chamada pré-eclâmpsia que pode ocorrer pelo stress oxidativo elevado na placenta (2).

Em quais alimentos posso encontrar vitamina E?

Diversos alimentos fornecem vitamina E, como frutas, legumes, verduras, carnes, ovos, cereais, óleos vegetais e oleaginosas. Preparamos uma lista com os alimentos ricos nesta vitamina para caprichar no cardápio:

  • Mamão: é fonte de vitamina E e vitamina C, além de alguns minerais como cálcio, ferro e potássio. Esta fruta ajuda a fortalecer o sistema imunológico, prevenindo constipações e gripes. Também serve para deixar a pele mais bonita e saudável.
  • Abacate é rico em gorduras boas, além de vitamina A, vitaminas do Complexo B, vitamina C, cálcio, ferro e fósforo. A fruta ajuda a diminuir o índice glicémico e prevenir doenças cardiovasculares.
  • Pistache: é rico em antioxidantes que ajudam a reduzir os riscos de doenças cardiovasculares como um acidente vascular cerebral. O consumo regular de pistache também ajuda a melhorar a digestão, pois este fruto seco é rico em fibras.
  • Castanha-do-Pará: é rica em selénio, um mineral que protege as células. Também é fonte de magnésio e fósforo, dois minerais importantes para o fortalecimento dos ossos e dos dentes. Estudos indicam que a castanha do Brasil atua na prevenção do cancro da bexiga e próstata.
  • Amêndoas: fornecem fibras, proteínas, vitaminas, minerais e gorduras boas, nutrientes que ajudam a aumentar os níveis de energia, fortalecer os ossos e dentes, beneficiar o cérebro e prevenir doenças como cancro e diabetes.
  • Amendoim: contribui para a melhora da saúde, pois fornece vitamina E, proteínas e minerais que ajudam no bom funcionamento do coração e da memória e aumentam a fertilidade da mulher.
  • Nozes: fornecem gorduras boas para o organismo, além dos ómegas 3 e 6. As nozes ajudam no bom funcionamento do sistema cardiovascular, melhoram a qualidade do sono e ajudam a prevenir alguns tipos de cancros.

Além dos alimentos mencionados acima, a vitamina E pode ser encontrada em quase todos os vegetais escuros e em algumas espécies de peixes como sardinha e salmão. Importante variar nas fontes de vitamina E.

Imagem de castanhas.
Consuma castanhas para aumentar os níveis de vitamina E no organismo. (Fonte: Marta Branco/ Pexels.com)

Quais os sintomas da deficiência de vitamina E?

Quem está com deficiência de vitamina E pode apresentar alguns sintomas relacionados a problemas no sistema nervoso central. Os mais comuns são diminuição dos reflexos, dificuldade para andar, visão dupla, dores de cabeça e até fraqueza muscular.

Quem deve suplementar vitamina E?

Caso apresente alguns dos sintomas de deficiência de vitamina E listados acima, recomendamos que procure orientação de um médico endocrinologista, nutricionista ou nutrólogo.

O profissional realizará uma avaliação do seu estado de saúde, investigará o histórico clínico e solicitará exames para analisar a concentração de vitamina E no sangue.

Caso seja constatado um nível insatisfatório de vitamina E, haverá recomendação médica para que inicie a suplementação vitamínica e aumente o consumo de alimentos que forneçam esta vitamina naturalmente.

Procure orientação médica se está com sintomas de falta de vitamina E. (Fonte: R+R Medicinals/ Unplash.com)

A deficiência de vitamina E é rara, principalmente porque este antioxidante natural está presente em diversos alimentos. No entanto, o problema pode se manifestar em pessoas com as seguintes características:

  • Pessoas que têm dificuldade de absorver gorduras dos alimentos – esta condição é comum em pessoas que realizaram cirurgia bariátrica, quem possui síndrome do intestino irritável ou pancreatite crónica;
  • Indivíduos que possuem alterações genéticas nas enzimas alfa-TTP ou Apolipoproteína B, que causam uma deficiência grave de vitamina E;
  • Recém-nascidos prematuros, pois a deficiência de vitamina E pode causar retinopatia e/ou anemia hemolítica;

Quem não deve suplementar vitamina E?

Recomenda-se evitar o suplemento de vitamina E se estiver a utilizar um medicamento anticoagulante, antiagregante plaquetário, sinvastatina ou niacina.

Também se recomenda cautela se estiver a fazer tratamento com quimioterapia ou radioterapia. Em ambos os casos, procure orientação médica e nunca se automedique, mesmo que sejam apenas vitaminas.

Qual a dose diária recomendada de vitamina E?

Para manter um nível adequado de vitamina E no organismo, deve consumir pelo menos 25mg desta vitamina por dia. Caso consuma a vitamina E como suplemento ou multivitamínico, recomenda-se o consumo máximo de 150mg.

Para os idosos, pode ser recomendada uma dose diária suplementar de 50mg a 200mg de vitamina E. Mas a dosagem deve ser indicada por um médico nutricionista, após a realização de exames para ajustar a dosagem de acordo com as necessidades do organismo.

Para bebés recém-nascidos prematuros, o pediatra pode recomendar uma dose diária de 10mg a 15mg de vitamina E.

O suplemento de vitamina E pode ser utilizado por pessoas de todas as idades. (Fonte: HeungSoon/ Pixabay.com)

Quais são os problemas resultantes da falta de vitamina E?

Quem tem deficiência de vitamina E pode apresentar os seguintes problemas de saúde – que cessam assim que a vitamina é reposta através da alimentação e suplementação:

  • Enfraquecimento do sistema imunológico;
  • Fraqueza muscular;
  • Problemas de visão;
  • Tremores;
  • Dormência;
  • Infertilidade;
  • Dificuldade para andar.

Conclusão

A vitamina E proporciona diversos benefícios para o organismo, pois possui propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Para aumentar a concentração desta vitamina, deve consumir verduras escuras, frutas ricas em gorduras boas, óleos vegetais e castanhas.

Em alguns casos, pode ser necessário suplementar a vitamina E numa dose que varia de 15mg a 200mg, depende da idade e condições de saúde da pessoa. Mas é preciso consumir vitamina E com cautela, pois o excesso desta substância pode prejudicar a saúde.

(Fonte da imagem destacada: Pixabay/ Pexels.com)

Referências(2)

  1. Pita Rodríguez, Gisela. Funciones de la Vitamina E en la nutrición humana. Rev. cuba. aliment. nutr ; 11(1): 46-57, ene.-jun. 1997.
  2. JÚNIOR, Hernani Pinto de Lemos. LEMOS, André Luis Alves de. Vitamina E e gravidez. Diagn Tratamento. 2009;14(4):152-5.
Anterior Prisão de ventre: causas e tratamento Próximo Para que serve a vitamina B12?
Estudo científico
Pita Rodríguez, Gisela. Funciones de la Vitamina E en la nutrición humana. Rev. cuba. aliment. nutr ; 11(1): 46-57, ene.-jun. 1997.
Ir para a fonte
Estudo científico
JÚNIOR, Hernani Pinto de Lemos. LEMOS, André Luis Alves de. Vitamina E e gravidez. Diagn Tratamento. 2009;14(4):152-5.
Ir para a fonte