Obstipação crónica: causas, tratamento e mais

A dificuldade para ir à casa de banho, a dor durante as evacuações e o desconforto intestinal que caracterizam a obstipação afetam até 17% dos portugueses atualmente.

A principal questão é: o que fazer para aliviar a obstipação? Existem muitas coisas que pode fazer, desde mudar os hábitos até utilizar alguns medicamentos e suplementos que vão aliviar a obstipação. Para conhecê-los, não deixe de ler este artigo!

O mais importante

  • A obstipação é um sintoma que afeta, principalmente, pessoas com mais de 65 anos, por mudanças no corpo, e as mulheres, por fatores hormonais (especialmente durante a gravidez) e culturais.
  • Para ser chamada de obstipação, a pessoa deve evacuar menos de três vezes por semana, associada a fezes duras, secas e difíceis de expulsar. Para que seja considerada crónica, estes sintomas devem durar mais de 3 meses.
  • A principal causa da obstipação é um estilo de vida pouco saudável, que inclui má alimentação, beber pouca água e o sedentarismo. No entanto, a obstipação crónica pode ser consequência de doenças que precisam de auxílio médico, ou o uso de certos medicamentos.

Tudo o que precisa de saber sobre a obstipação crónica

A obstipação crónica é um problema que afeta muitas pessoas ao redor do mundo. Em Portugal, é estimado que 1,7 a cada dez pessoas possam sofrer deste sintoma, provocando muitas vezes um grande desconforto que pode impactar na qualidade de vida.

O que é a obstipação crónica?

A obstipação é um sintoma (não uma doença) que se apresenta quando uma pessoa tem menos de três evacuações por semana, geralmente acompanhada de fezes duras, dificuldade e/ou dor ao expulsá-las (1)

Este sintoma pode ser dividido em agudo e crónico. A obstipação aguda é quando ocorreu recentemente e a crónica (de longa duração) deve ter ocorrido por pelo menos três meses (2, 3, 4).

O homem sente fortes dores de estômago em casa. Conceito de pessoas, saúde e medicina
A constipação é um sintoma que afeta principalmente pessoas com mais de 65 anos devido a mudanças no corpo e mulheres devido a fatores hormonais. (Fonte: Sarifulin: 131197517/ 123rf.com)

Quais são os sintomas da obstipação crónica?

A obstipação pode apresentar-se de diferentes maneiras, pode ser por uma mudança no estilo de vida ou um sintoma de outras doenças importantes. 

É importante conhecer os sintomas comuns e os sinais de alerta que podem surgir durante a obstipação (5, 6):

Sintomas comunsSinais de alerta
Menos de três evacuações por semanaPerda de peso
Dificuldade para expulsar as fezesDor que não deixa dormir
Evacuações duras ou com grumosFezes com sangue ou sangramento retal
Dor ou inchaço abdominal leveAbdómen muito inchado ou distendido
Necessidade de usar as mãos para ajudar a expulsar as fezesVómitos
Sensação de obstruçãoEm idosos, obstipação grave ou piora na obstipação

Qual é a causa da obstipação crónica?

A obstipação pode ser causada por qualquer coisa que dificulte o movimento das fezes para fora do corpo, seja uma obstrução, diminuição dos movimentos do intestino ou fezes duras que são difíceis de expulsar.

As principais causas são as seguintes: 

Estilo de vida pouco saudável ou que muda muito

Muitas vezes, a obstipação pode ocorrer por certos hábitos desfavoráveis para a saúde ou mudanças na rotina que podem mudar a atividade intestinal normal. Os fatores mais importantes são (6, 7, 8, 9):

  • Uma dieta baixa em fibras e alta em alimentos ricos em gorduras e açúcares;
  • Não beber água suficiente;
  • Consumir muito álcool ou cafeína;
  • Falta de atividade física;
  • Ignorar a vontade de ir à casa de banho;
  • Viagens recentes.

Problemas de saúde

Alguns problemas podem aumentar a probabilidade de sofrer de obstipação (6)

  • Hipotireoidismo (diminuição da função da glândula tireoide);
  • Transtornos psicológicos como ansiedade, depressão ou transtornos alimentares;
  • Diabetes e outras alterações do metabolismo;
  • Cancro do cólon, reto ou outros cancros abdominais;
  • Síndrome do intestino irritável;
  • Doença de Parkinson;
  • Esclerose múltipla.

Consumo de medicamentos

Além das doenças que podem causar obstipação, também existem medicamentos que prejudicam os movimentos intestinais e dificultam a saída de fezes (11, 12):

  • Medicamentos para aliviar a dor (morfina ou codeína);
  • Anti-hipertensivos que bloqueiam os canais de cálcio como amlodipina ou verapamil;
  • Medicamentos para o Parkinson;
  • Tratamentos para transtornos psiquiátricos;
  • Diuréticos (medicamentos que ajudam a urinar);
  • Suplementos (ferro e cálcio);
  • Medicamentos para as convulsões (clonazepam ou fenitoína).

Alguns medicamentos não mencionados nesta lista também podem causar obstipação. Se tiver este sintoma durante o tratamento, não deixe de falar com o seu médico!

Mulher jovem fazendo exercícios no cais
Muitas vezes, a prisão de ventre pode ser decorrente de certos hábitos desfavoráveis ​​à sua saúde ou mudanças no seu dia a dia que podem alterar sua atividade intestinal normal, como a falta de atividade física. (Fonte: Yastremska: 96078973 / 123rf.com)

Quem pode ser afetado pela obstipação crónica?

Qualquer pessoa pode ser vítima da obstipação crónica, já que é um sintoma que ocorre por muitos motivos. No entanto, existem algumas pessoas que são mais suscetíveis a sofrer deste sintoma:

  1. Idosos: as pessoas com mais de 65 anos têm três vezes mais chances de desenvolver obstipação do que pessoas com outras idades (1). Isso ocorre por mudanças próprias da idade, desenvolvimento de doenças como diabetes ou Parkinson, uso de medicamentos e estilos de vida que condicionam a obstipação (13).
  2. Mulheres: as mulheres são muito mais suscetíveis à obstipação do que os homens. Isso ocorre, principalmente, devido a fatores hormonais e também ao condicionamento social, já que as mulheres frequentemente evitam ir à casa de banho em locais públicos por vergonha (14, 15). Isso pode danificar o funcionamento normal do intestino.
  3. Grávidas: durante esta importante etapa da vida é muito comum que se desenvolva a obstipação por mudanças hormonais, diminuição das atividades físicas, o uso de alguns medicamentos (como os suplementos de ferro) e por movimentos que o sistema digestivo precisa fazer para se adaptar ao bebé (16, 17).

Obstipação crónica: tudo que pode fazer para aliviar

Agora que já sabe o mais importante sobre a obstipação, fica uma questão por responder: o que fazer para aliviar este problema? Chegou ao lugar certo, vamos responder às suas dúvidas.

Mudanças importantes no estilo de vida

Um dos primeiros passos para aliviar a obstipação é a mudança nos hábitos diários. Pode começar com os seguintes (18, 19, 20):

  • Inclua mais fibras na dieta: pode conseguir fibras dos cereais, vegetais e frutas. Não aumente o consumo de fibras muito rapidamente, pois pode causar desconforto gastrointestinal.
  • Beba água suficiente: se é o tipo de pessoa que se esquece facilmente de tomar água, pode estar a contribuir para a sua obstipação sem perceber. Tomar uma quantidade adequada de água todos os dias (cerca de 8 copos para um adulto normal) ajudará a “hidratar” as suas fezes, para que saiam com maior facilidade.
  • Faça mais atividade física: pode fazer qualquer coisa para movimentar o seu corpo! Pode dançar, caminhar, passear com o seu cão ou brincar com os seus filhos, qualquer coisa vale! Desta forma, “incentiva” o seu intestino a se movimentar também.
mãe jovem e estilosa com cabelo comprido e um vestido verde sentada com sua filhinha fofa no café de verão e derrama água em um copo
Se você é o tipo de pessoa que se esquece facilmente de beber água, pode estar contribuindo para a constipação sem perceber. (Fonte: Hetman: 121841733 / 123rf.com)

Sente corretamente na sanita

Pode ser que a sanita tenha sido uma das invenções mais importantes da humanidade. No entanto, foi esquecido um detalhe muito importante, que é a posição do reto (a parte final do intestino) quando estamos sentados.

A forma “natural” de expulsar as fezes é agachado, desta forma o reto fica endireitado e, assim, as fezes passam com mais facilidade. Quando sentamos na posição “normal”, com os joelhos no nível da pélvis, o reto fica “dobrado”, dificultando a experiência na casa de banho (21)

Não se preocupe! A solução deste problema é muito simples. Pode, simplesmente, utilizar um banquinho para colocar os pés e desta forma elevar os joelhos ao nível do peito, assim facilita o trabalho do seu intestino.

Probióticos que podem ajudar

Os probióticos são suplementos que contém microrganismos “vivos” parecidos aos de um intestino saudável. Se a sua flora intestinal estiver alterada, pode piorar a obstipação (22)

Alguns probióticos podem ser eficientes para aliviar a obstipação crónica, para escolher e utilizar de forma correta, preste atenção aos seguintes aspectos (23):

  1. Tente escolher probióticos com cem a mil milhões de Unidades Formadoras de Colónias (UFC);
  2. Escolha probióticos com revestimento entérico, isso faz com que seja mais fácil para os microrganismos chegarem ao intestino intactos sem serem afetados pelos ácidos estomacais;
  3. Evite escolher probióticos que sejam facilmente danificados pelas condições ambientais, como calor e umidade;
  4. Siga as especificações do fabricante e indicações do seu médico.
Mulher loira comprando frutas e vegetais orgânicos
Inclua mais fibras em sua dieta, você pode obter fibras de cereais, vegetais e frutas. (Fonte: Trendsetter Images: 42936598 / 123rf.com)

Medicamentos para a obstipação

A obstipação crónica, muitas vezes, exige o uso de alguns medicamentos para o seu alívio, já que as medidas convencionais não são suficientes para “motivar” o intestino a expulsar as fezes.

É então que entram os laxantes, um grupo muito variado de medicamentos cuja finalidade é ajudar a ir à casa de banho. Pode encontrar as seguintes variedades (24)

  • Osmóticos: o tipo de laxante mais económico e de ação mais rápida. Pode ser utilizado durante a gravidez com indicação médica. Estes atuam absorvendo grandes quantidades de água no interior do intestino para facilitar a saída das fezes.
  • Estimulantes: este tipo de laxantes estimula o movimento do intestino e é utilizado principalmente para tratar a obstipação causada por alguns medicamentos.
  • Emolientes: ajudam a misturar as fezes com água e gorduras para facilitar o trânsito pelo tubo digestivo. Têm um efeito mais tardio, mas podem ser utilizados em pessoas com problemas do coração e pressão arterial.

Não se esqueça de falar com o seu médico antes de utilizar um laxante.

Consulte o seu médico

A obstipação crónica é um sintoma que pode ser a consequência de muitas situações, entre estas, muitas doenças importantes. 

Desta forma, o seu médico vai poder diagnosticar e tratar estas doenças para aliviar os sintomas da obstipação e muitos outros que são associados a estas condições.

No entanto, muitas vezes a obstipação é uma consequência dos tratamentos médicos que pode precisar. Por isso, conversar com o seu médico sobre este efeito colateral dos medicamentos pode resultar na mudança da medicação ou utilização de outros medicamentos que podem ajudar a aliviar a obstipação.


Resumo

A obstipação é definida como uma diminuição da frequência de ir à casa de banho, menos de três evacuações por semana. Ela torna-se crónica quando este sintoma supera os três meses de duração e, nestes casos, é possível que esteja associado a condições de saúde importantes. 

O tratamento da obstipação deve começar em casa, identificando se uma mudança no estilo de vida pode melhorar os sintomas. Além disso, deve sempre consultar o seu médico quando a obstipação se torna crónica, pois muitas vezes a mudança no estilo de vida não é suficiente para aliviar o problema.

Se este artigo foi útil para si, compartilhe nas suas redes sociais e deixe um comentário com as suas dúvidas e opiniões.

(Fonte da imagem destacada: Georgerudy: 81320080 / 123rf.com)

Referências(24)

  1. Fundación Española del Aparato Digestivo. Guía para prevenir y tratar el estreñimiento. SaludigestivoEs n.d.
  2. García García JI, Ventura Pérez M, Peña Forcada E, Domingo Regany E. Dolor abdominal urgente: diagnóstico diferencial del estreñimiento. Semergen 2014;40:e51-6.
  3. Lizarraga Purroy J, Pacheco del Ro G, Villagrasa Manzano R, Pea Aldea A. Protocolo diagnóstico del estreñimiento de reciente comienzo. Medicine 2008;10:385–7.
  4. Wald A. Chronic constipation: advances in management. Neurogastroenterol Motil 2007;19:4–10.
  5. Johanson JF. Constipation. GI Epidemiology, Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd; 2008, p. 184–90.
  6. Gotfield J.Estreñimiento en adultos. Manuales MSD. 2020
  7. Sorangel D., Khaled B Magda Constipation. National Center of Biotechnology Information. 2019.
  8. Morais M. y Cols. Measurement of Low Dietary Fiber Intake As a Risk Factor for Chronic Constipation in Children. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition. 1999.
  9. Anti M. y Cols. Water Supplementation Enhances the Effect of High-fiber Diet on Stool Frequency and Laxative Consumption in Adult Patients with Functional Constipation.
  10. Dinning PG, Smith TK, Scott SM. Pathophysiology of colonic causes of chronic constipation. Neurogastroenterol Motil 2009;21 Suppl 2:20–30.
  11. Wong M. Sociodemographic and lifestyle factors associated with constipation in an elderly Asian community. Am J Gastroenterol 1999;94:1283–91.
  12. Branch RL, Butt TF. Drug-induced constipation. Adverse Drug React Bull 2009;NA;987–90.
  13. Gallegos-Orozco JF, Foxx-Orenstein AE, Sterler SM, Stoa JM. Chronic constipation in the elderly. Am J Gastroenterol 2012;107:18–25; quiz 26.
  14. Oh J-E, Kim Y-W, Park S-Y, Kim J-Y. Estrogen rather than progesterone cause constipation in both female and male mice. Korean J Physiol Pharmacol 2013;17:423–6.
  15. McCrea GL, Miaskowski C, Stotts NA, Macera L, Paul SM, Varma MG. Gender differences in self-reported constipation characteristics, symptoms, and bowel and dietary habits among patients attending a specialty clinic for constipation. Gend Med 2009;6:259–71.
  16. Jewell DJ, Young G. Interventions for treating constipation in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev 2001:CD001142.
  17. Societat Catalana de Digestología. Información para pacientes: Estreñimiento. IngotmScdigestologiaOrg n.d.
  18. Tramonte SM, Brand MB, Mulrow CD, Amato MG, O’Keefe ME, Ramirez G. The treatment of chronic constipation in adults. A systematic review. J Gen Intern Med 1997;12:15–24.
  19. Müller L y Cols. Myths and Misconceptions About Chronic Constipation. American Journal of Gastroenterology. 2005.
  20. Gao R, Tao Y, Zhou C, Li J, Wang X, Chen L, et al. Exercise therapy in patients with constipation: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Scand J Gastroenterol 2019;54:169–77.
  21. Sikirov BA. Primary constipation: an underlying mechanism. Med Hypotheses 1989;28:71–3.
  22. Dimidi E, Christodoulides S, Fragkos KC, Scott SM, Whelan K. The effect of probiotics on functional constipation in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr 2014;100:1075–84.
  23. Antonieta G., Ramon B. Probióticos. Farmacia Profesional. 2017.
  24. Personal de Mayo Clinic. Laxantes de venta libre para tratar el estreñimiento: Úsalos con precaución. [Internet]. Mayoclinic.org. 2018.
Anterior Os 3 melhores alimentos com vitamina E: visão geral e conselhos Próximo O que são probióticos?
Artigo científico
Fundación Española del Aparato Digestivo. Guía para prevenir y tratar el estreñimiento. SaludigestivoEs n.d.
Ir para a fonte
Artigo científico
García García JI, Ventura Pérez M, Peña Forcada E, Domingo Regany E. Dolor abdominal urgente: diagnóstico diferencial del estreñimiento. Semergen 2014;40:e51-6.
Ir para a fonte
Artigo científico
Lizarraga Purroy J, Pacheco del Ro G, Villagrasa Manzano R, Pea Aldea A. Protocolo diagnóstico del estreñimiento de reciente comienzo. Medicine 2008;10:385–7.
Ir para a fonte
Artigo científico
Wald A. Chronic constipation: advances in management. Neurogastroenterol Motil 2007;19:4–10.
Ir para a fonte
Artigo científico
Johanson JF. Constipation. GI Epidemiology, Oxford, UK: Blackwell Publishing Ltd; 2008, p. 184–90.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gotfield J.Estreñimiento en adultos. Manuales MSD. 2020
Ir para a fonte
Artigo científico
Sorangel D., Khaled B Magda Constipation. National Center of Biotechnology Information. 2019.
Ir para a fonte
Artigo científico
Morais M. y Cols. Measurement of Low Dietary Fiber Intake As a Risk Factor for Chronic Constipation in Children. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition. 1999.
Ir para a fonte
Artigo científico
Anti M. y Cols. Water Supplementation Enhances the Effect of High-fiber Diet on Stool Frequency and Laxative Consumption in Adult Patients with Functional Constipation.
Ir para a fonte
Artigo científico
Dinning PG, Smith TK, Scott SM. Pathophysiology of colonic causes of chronic constipation. Neurogastroenterol Motil 2009;21 Suppl 2:20–30.
Ir para a fonte
Artigo científico
Wong M. Sociodemographic and lifestyle factors associated with constipation in an elderly Asian community. Am J Gastroenterol 1999;94:1283–91.
Ir para a fonte
Artigo científico
Branch RL, Butt TF. Drug-induced constipation. Adverse Drug React Bull 2009;NA;987–90.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gallegos-Orozco JF, Foxx-Orenstein AE, Sterler SM, Stoa JM. Chronic constipation in the elderly. Am J Gastroenterol 2012;107:18–25; quiz 26.
Ir para a fonte
Artigo científico
Oh J-E, Kim Y-W, Park S-Y, Kim J-Y. Estrogen rather than progesterone cause constipation in both female and male mice. Korean J Physiol Pharmacol 2013;17:423–6.
Ir para a fonte
Artigo científico
McCrea GL, Miaskowski C, Stotts NA, Macera L, Paul SM, Varma MG. Gender differences in self-reported constipation characteristics, symptoms, and bowel and dietary habits among patients attending a specialty clinic for constipation. Gend Med 2009;6:259–71.
Ir para a fonte
Artigo científico
Jewell DJ, Young G. Interventions for treating constipation in pregnancy. Cochrane Database Syst Rev 2001:CD001142.
Ir para a fonte
Artigo científico
Societat Catalana de Digestología. Información para pacientes: Estreñimiento. IngotmScdigestologiaOrg n.d.
Ir para a fonte
Artigo científico
Tramonte SM, Brand MB, Mulrow CD, Amato MG, O’Keefe ME, Ramirez G. The treatment of chronic constipation in adults. A systematic review. J Gen Intern Med 1997;12:15–24.
Ir para a fonte
Artigo científico
Müller L y Cols. Myths and Misconceptions About Chronic Constipation. American Journal of Gastroenterology. 2005.
Ir para a fonte
Artigo científico
Gao R, Tao Y, Zhou C, Li J, Wang X, Chen L, et al. Exercise therapy in patients with constipation: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Scand J Gastroenterol 2019;54:169–77.
Ir para a fonte
Artigo científico
Sikirov BA. Primary constipation: an underlying mechanism. Med Hypotheses 1989;28:71–3.
Ir para a fonte
Artigo científico
Dimidi E, Christodoulides S, Fragkos KC, Scott SM, Whelan K. The effect of probiotics on functional constipation in adults: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr 2014;100:1075–84.
Ir para a fonte
Artigo científico
Antonieta G., Ramon B. Probióticos. Farmacia Profesional. 2017.
Ir para a fonte
Artigo científico
Personal de Mayo Clinic. Laxantes de venta libre para tratar el estreñimiento: Úsalos con precaución. [Internet]. Mayoclinic.org. 2018.
Ir para a fonte